Fachin diz que “militarização dos governos” é “altamente preocupante”

O ministro Luiz Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), e vice-presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), criticou o golpe de Estado em Mianmar e disse que a militarização dos governos é “fenômeno altamente preocupante”. O Exército do país asiático alegou fraude eleitoral para tomar o poder. O magistrado lembrou que “emergências e crises devem ser resolvidas dentro da democracia”.

O golpe em Mianmar se consolidou após militares prenderem a prêmio Nobel da Paz, Aung San Suu Kyi, e o presidente do país, Win Myint. As tropas retiraram a TV estatal do ar, reduziram a conexão de internet e levaram outros integrantes do governo para a cadeia. “Golpe algum, em circunstância alguma, é mal necessário. Golpe sempre é um mal. Emergências e crises devem ser resolvidas dentro da democracia. Violações de direitos humanos e afrontas às garantias fundamentais devem ser apuradas e decididas na legalidade democrática”, disse Fachin.

O magistrado destacou que a presença em larga escala de militares em qualquer governo é um risco à democracia. “Impende atentar para a militarização dos governos como fenômeno altamente preocupante. O poder militar, nas democracias, deve ser sempre subordinado ao poder civil”, destacou.

No Brasil, 6,7 mil militares da ativa e da reserva fazem parte do governo do presidente Jair Bolsonaro, Fachin destacou que quem tenta subverter a democracia usa como argumento suposta fraude eleitoral. “Ao redor do planeta a perversa desmoralização das eleições invade a espacialidade discursiva como parte de projetos que visam ao colapso das democracias”, completou.

Por Correio Braziliense

Previous post MPPB ajuíza ação para garantir funcionamento de instituição para idosos, em S. Mamede
Next post Líder do governo Bolsonaro admite que a Lava Jato prendeu Lula para deixá-lo fora das eleições de 2018